“Nossa missão é contribuir para a formação de uma consciência crítica das novas gerações e melhorar a qualidade de vida das populações brasileiras, dando ao grande público uma macrovisão do país e sua gente.”

IMPRENSA

Depois de quatro décadas documentando o país, suas riquezas naturais, étnicas e culturais,  a jornalista Paula Saldanha revitaliza seu Instituto em 2010, com a incorporação e execução de novos projetos e estudos.

 

O Instituto Paula Saldanha foi criado em 1991, originalmente com o nome de Instituto Cultural Ecológico Terra Azul, como resultado da união de esforços de Paula com sócios-fundadores como Darcy Ribeiro e Oscar Niemeyer. Em 2003, a ONG foi declarada de utilidade pública.

 

Entre seus objetivos, Paula Saldanha destaca a divulgação do Brasil. A jornalista dirige e apresenta em rede nacional o programa Expedições e criou, em 1979, o primeiro programa de meio ambiente da TV brasileira – o Globinho Repórter.

 

Através de centenas de documentários, que são resultado de trinta e três anos de produção independente junto a seu companheiro, o biólogo Roberto Werneck, Paula pretende “agregar valor histórico à produção audiovisual de televisão, dando ao público uma macrovisão do país e sua gente e contribuindo para a transmissão da memória nacional às próximas gerações”.

 

A documentação de Paula Saldanha vai além de um registro datado. As produções são dinâmicas e as relações com os povos retratados, orgânicas, construindo, ao longo do tempo, leituras e releituras históricas dos povos que constituem nossa nação, possibilitando, ainda, comparações entre décadas diferentes.

 

O caráter mobilizador das obras faz com que sejam base de estudos e pesquisas. É o caso da Expedição Científica Brasileira e Peruana à Nascente do rio Amazonas. Com o apoio do Instituto Paula Saldanha, essa foi a primeira equipe de produção de audiovisual do Brasil a chegar à verdadeira nascente do maior rio do mundo.

 

Com a participação de cientistas de instituições brasileiras e peruanas, a expedição está  sendo relatada como base para futuras pesquisas e projetos, como a III Cúpula América do Sul – Países Árabes, organizada pelo Ministério das Relações Exteriores do Peru.

 

Vale ressaltar que, além de abrigar mais de centenas de obras audiovisuais, o Instituto Paula Saldanha também tem como um de seus objetivos conservar um acervo pessoal etnográfico de peças indígenas e artesanato brasileiro.

 

Além disso, neste Ano Internacional da Biodiversidade, o Instituto Paula Saldanha renovou projetos que visam à conservação da diversidade biológica nacional e estão em fase de captação.